Inventário - Quando é necessário fazer

Atualizado: 28 de jun.

Uma dúvida muito comum de alguns clientes que vem até o escritório é sobre a necessidade ou não de se fazer um inventário após a morte de um parente. Pois bem, de uma maneira simples e objetiva podemos dizer que ele é necessário desde que o(a) falecido(a), tenha deixado bem(ns).


E por bens entenda-se bem móveis, imóveis, semoventes, contas bancárias, investimentos, etc. Aqui um adendo, "semoventes" são conceituados como "animais de bando", então se o(a) falecido(a) deixou cabeças de gado, ou era dono de um Haras, ou possuía criação de outros animais, estes também tem que ser inventariados.


E se o(a) falecido(a) não tiver deixado nenhum bem. Aí pode se optar por não fazer um inventário ou fazer o chamado "inventário negativo", que pode ser realizado tanto judicialmente, como extrajudicialmente em um Tabelionato de Notas.



30 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

De maneira simples pode-se dizer que o arrolamento sumário é uma forma mais simples de inventário. O Código de Processo Civil Brasileiro pontua que havendo consenso entre os herdeiros quanto à partilh

Por incrível que pareça, pode ocorrer que após o término do inventário seja descoberto um bem que não foi inventariado. O primeiro ponto a se destacar é que mesmo na hipótese do inventário ser sido re

O inventário é um processo em que é feito o levantamento de todo o patrimônio deixado pelo(a) falecido(a), patrimônio este que inclui bens, direitos e dívidas. Feito este levantamento, ao final do pro